APA vai à Cabaceiras

Reportagem noticiada no portal do IFBP, por Patrícia Nogueira.
Fotografias: Petrônio Lins

Em parceria com a Associação Paraibana de Astronomia (APA-PB), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, propiciou a estudantes do município de Cabaceiras, uma visão diferente do céu do Cariri paraibano. A ação promoveu o encantamento dos jovens estudantes daquela região, que fizeram filas e não se cansaram de olhar pelo telescópio repetidas vezes.

A comitiva de estudiosos da Astronomia chegou ao município na tarde da sexta-feira, dia 02 e foi encaminhada para a Escola Municipal Abdias Ayres de Queiroz. O objetivo da visita foi apresentar um pouco da Astronomia aos estudantes, despertando o interesse pela ciência.

Uma multidão de alunos aguardava ansiosa pela apresentação e, logo, os estudantes começaram a se aglomerar em volta da equipe e dos equipamentos (lunetas e telescópios) montados para posterior observação do céu.

Em três salas de aula aconteceram as palestras “O sistema solar”, proferida pelo professor Jose Rodrigues de Medeiros, “A história da astronomia”, proferida por Marcos Jerônimo e “As estações do ano”, ministrada por Paulo Vamberto, todos membros da APA-PB.

Maria Helena Mendes de Albuquerque foi uma das alunas que participou da atividade na escola. Astronomia cabaceiras 2Com 11 anos e aluna do 6º ano B, ela comenta que ficou surpresa ao observar a lua e o planeta Vênus pelo telescópio. “Foi uma sensação de parecer estar mais perto da lua. Gostei muito. Ví como é forte o brilho das estrelas e do planeta Vênus. Fiquei surpresa com o que vi, pois eram astros que eu só conhecia através de fotografia dos livros”, disse a estudante.

Astronomia cabaceiras 3Já o astroamador Anderson Dantas se interessou pela área ainda criança, ao estudar o assunto na escola. “Depois passei a pesquisar o tema na internet e participar de discussões em fóruns”, afirma. Mas a paixão dele aumentou depois que seus pais compraram equipamentos que o possibilitaram observar o céu com mais precisão. Desde então, Anderson desenvolve trabalhos de monitoramento da atividade solar, de chuvas de meteoros e de manchas solares. Seus planos para o futuro são de terminar o ensino médio no campus Picuí, onde ele cursa o técnico em Manutenção de Equipamentos de Informática, ingressar na faculdade de física e se especializar na área de astronomia.

A visita técnica à cidade de Cabaceiras, coordenada pelo Coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Astronômicas do IFPB, professor Francisco Nobre, contou ainda com a participação do professor do IFPB Campus Campina Grande, Carlos Alex Souza da Silva, que ficará responsável pelo NEPA do Campus. A oportunidade serviu também como aprendizado para o professor. “Eu já possuo alguns conhecimentos em astronomia, mas a parte da observação, do manuseio dos equipamentos é totalmente nova para mim”, afirmou Carlos Alex.

O docente pretende aproximar ainda mais os estudantes e a comunidade para a utilização da Astronomia e da ciência, através de uma forma inovadora de ensino. “É uma forma de motivá-los para o estudo. Há pouco tempo atrás, a utilização desses equipamentos era algo incomum, hoje já podemos tornar uma realidade, uma inovação”, lembra o professor Carlos.

Cerca de 250 alunos participaram da atividade. Para a escola Abdias Ayres de Queiroz, o resultado da visita foi bastante positivo. “Os alunos puderam observar na prática, algo que eles conheciam e estudavam na teoria e isso é muito válido para aprimorar o aprendizado. Dessa forma, espero que a atividade possibilite despertar o interesse pela ciência e sobretudo pela astronomia”, afirmou a Diretora Silvia Sampaio.

O professor do NEPA do IFPB, Francisco Nobre, visualiza na cidade, um grande potencial astronômico. “Após a observação realizada no céu de Cabaceiras percebemos que a cidade tem uma série de fatores que contribuem positivamente para observações astronômicas”, afirmou Chico Nobre, que pretende realizar uma parceria com a prefeitura da cidade para formar alunos que atuem como agentes, fortalecendo o turismo astronômico na região.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *